Divindade: Contra o Sistema Divino - Capítulo 142: Você Não Pode Fazer Nada

Tradutor: Ydominuss


"Do que você está falando? O que pode dar errado? Sobre o que exatamente você vai falar com o reitor?" Alice perguntou confusa. Ela não achava que essa coisa toda fosse tão simples.


"É segredo", Ryder respondeu sorrindo enquanto se concentrava no café da manhã.


Alice balançou a cabeça quando começou a comer também. Ela queria as respostas, mas sabia que não conseguiria nenhuma.


Terminaram o café da manhã e saíram de casa juntos.


Eles entraram no Whirlwind de Ryder, que se aproximou da Universidade dos Sonhadores.


Ryder estava dirigindo o carro quando seu telefone começou a tocar.


"Você pode pegar o telefone e segurá-lo perto do meu ouvido?" Ryder perguntou a Alice enquanto mantinha as duas mãos no volante.


Alice tirou o telefone do bolso.


"Quem é?" Ryder perguntou a Alice.


"É alguém chamado Shu," Alice respondeu.


"Oh, deve ser o mesmo Shu que me ajudou a tirá-la da prisão", respondeu Ryder. "Tudo bem. Atenda a chamada."


Alice tocou no símbolo verde no telefone e o colocou nas orelhas de Ryder.


"Olá?" perguntou Ryder.


"Irmão Ryder, desculpe por estar fora de contato. Fiquei ocupado com algumas coisas de trabalho. De qualquer forma, liguei para você para perguntar sobre isso. Como foi?" Shu disse assim que ouviu a voz de Ryder.


"Qual coisa?" Ryder perguntou a ele. Muitas coisas estavam acontecendo com ele, e ele não sabia de qual delas Shu estava falando.


"A coisa sobre aquele reitor da Universidade dos Sonhadores. Você disse que iria lidar com ele. Foi sobre isso que eu liguei para perguntar", respondeu Shu.


"Oh, sobre ele. Sim, isso é um negócio feito. Ele veio à nossa casa e se desculpou com Alice." Ryder respondeu a Shu.


A orelha de Alice se animou quando ela ouviu Ryder falar sobre ela.


"Ele se desculpou? Sério? Aquele velho teimoso se desculpou? Como você fez isso?" Shu perguntou quando ele começou a rir.


"Ah, eu falei com ele como um cavalheiro, e ele entendeu o que eu queria dizer", disse Ryder.


"Isso é mentira! Diga-me o que você fez. Vamos, não vou contar a ninguém", disse Shu novamente.


Ryder sorriu ironicamente ao ouvi-lo insistir.


"Ah, sim, estou indo para a universidade com Alice, vou enviar esses documentos mais tarde", disse Ryder, sutilmente.


Ele queria dizer que estava com Alice e que lhe contaria algo mais tarde, mas sabia que Alice começaria a duvidar dele se dissesse isso.


"Oh, você está com ela. Tudo bem. Eu não vou perguntar mais, mas espero detalhes completos quando você estiver livre", disse Shu a Ryder.


"Tudo bem. Espere que seja um acordo", respondeu Ryder.


"Você pode se concentrar no que estava fazendo. Não se esqueça de me ligar quando estiver livre. Essa curiosidade está me matando", disse Shu.


"Certo."


A chamada foi desconectada.


"Você pode colocar o telefone de volta", disse Ryder a Alice.


Alice colocou o telefone de volta no bolso de cima.


"Ele é seu parceiro de negócios?" Alice perguntou a Ryder.


"Você pode chamá-lo de Grande Irmão Shu se você está se perguntando como tratá-lo. Ele é um amigo meu, e nós temos uma parceria de negócios também", Ryder disse a ela.


Ele não mencionou que tipo de parceria era.


"Eu esqueci de mencionar isso, mas da próxima vez que você falar com ele, por favor, agradeça a ele. Por me ajudar da última vez e por cuidar de você." Alice disse a Ryder.


"Vou agradecê-lo pelo primeiro, quanto ao segundo, acho que você pode dizer que nós dois cuidamos um do outro um pouco."


Ryder parou o carro. Ele já estava na Universidade.


"Vamos. Você pode ir para a aula, e eu vou encontrar o reitor," Ryder disse a Alice antes de sair do carro. Alice também saiu do carro.


Ambos caminharam em direção à Universidade, mas se separaram ao longo do caminho enquanto Ryder caminhava para o prédio administrativo.


Ryder chegou à porta do reitor e bateu.


"Quem é?" perguntou o decano.


"É seu amigo", disse Ryder enquanto abria a porta e entrava.


O reitor viu Ryder e se levantou abruptamente.


"Você! O que você está fazendo aqui! Eu pensei que tínhamos terminado!"


"Shhh. Não se comporte assim. O que as outras pessoas vão pensar? Eu não estou aqui para te machucar. Eu só quero falar com você." Ryder disse enquanto fechava a porta atrás dele.


"Você quer mais dinheiro, não é? Eu sabia que você continuaria me chantageando." O Reitor suspirou enquanto se sentava.


"Quem não gostaria de dinheiro, mas não é para isso que estou aqui. Preciso de mais alguma coisa de você", disse Ryder ao reitor enquanto se sentava no banco à sua frente.


O reitor colocou as duas mãos sobre a mesa enquanto olhava gravemente para Ryder.


"O que você precisa?" Ele perguntou.


"Quero que sua filha se arrependa do que fez com minha irmã e peça desculpas a Alice. Acho que você sabe que tenho muitos métodos para fazer isso acontecer, alguns dos quais podem ser muito brutais", disse Ryder casualmente.


"Não se atreva a machucar minha filha, ou eu vou te matar!" O reitor rugiu de raiva quando bateu a mão na mesa.


Sua voz alta atraiu a atenção das pessoas do lado de fora.


"Senhor, está tudo bem por dentro?"


Ryder e o reitor ouviram uma voz feminina e uma batida na porta.


"E-tudo está bem. Não me perturbe", respondeu o Reitor.


"Tudo bem. Peço desculpas pela perturbação", respondeu a mulher.


"Você usou seu cérebro; caso contrário, as coisas poderiam ter ficado complicadas para você. De volta ao tópico de sua ameaça, deixe-me dizer. Eu posso fazer o que eu quiser, e você não pode fazer nada para me impedir", Ryder disse enquanto sorria.


"Mas eu não sou esse tipo de pessoa, e não quero ir por esse caminho sombrio, por isso vim aqui. Quero que você me ajude a fazer sua filha se desculpar com minha irmã para que eu não precise tomar quaisquer medidas estritas", continuou ele.


"Vou dizer a ela para se desculpar", disse o Reitor a Ryder.


Ryder balançou a cabeça enquanto negava essa sugestão.

"Não, ela também precisa se arrepender do que fez. Isso não vai acontecer se você apenas disser a ela para se desculpar. Ela só vai detestar mais minha irmã e nunca vai se arrepender do que fez. Faça o que eu digo e tudo ficará bem. sem nenhum problema", disse.


O reitor olhou para ele com uma carranca.


"Contanto que não prejudique minha filha, estou disposto a fazer qualquer coisa", o Reitor finalmente disse com determinação.


"Bom. Teria sido tão bom se você fosse tão compreensivo desde o início. As coisas não chegariam a este ponto", Ryder murmurou.


"O que você quer que eu faça?" o reitor perguntou a Ryder.

6 visualizações0 comentário

Contate-me pelo Discord